quinta-feira, 5 de março de 2015

7 TÍTULOS ROUBADOS

[...]

Umberto Eco imagina um náufrago preso num navio vazio, flutuando – sem sair do lugar – numa praia paradisíaca dos Mares do Sul. Apesar de próximas as areias são inalcançáveis porque o barco está detido pela calmaria, o rapaz não sabe manobra-lo e, pior, também não sabe nadar.
A Ilha do Dia Anterior está localizada exatamente no limite do ontem do meridiano de Greenwich.

Casa Tomada é um ícone do Realismo Fantástico Latino-americano, o conto de estréia de Julio Cortázar, publicado numa revista editada por J.L.Borges. Narra a história de um velho casal de irmãos – meio machadianos  que têm a casa invadida, cômodo a cômodo, por uma força estranha e imprecisa, até serem expulsos.
Como seria a casa de alguém, desacreditado do amor, tomada, devagar, pela presença do amante.

Gilgamesh, talvez a primeira epopeia escrita, anterior e fonte da Bíblia. Conta a história mítica das civilizações mesopotâmicas. O verso inicial ‘Ele o abismo viu. O fundamento da terra’, a morada dos deuses, o que havia antes do dilúvio e a argila de que os homens são feitos.
Clique para ouver no YOUTUBE

Em Busca do Tempo Perdido de Marcel Proust, um labirinto de sete volumes de memórias que muito poucos conseguiram atravessar. É muito fácil perder-se nas recursivas caminhadas do autor pelos evanescentes passados, seus e da França. Porém alguns personagens são inesquecíveis como Odette de Crecy – quase uma síntese das personagens coquetes francesas  que gostava de enfeitar os seios com catléias.

Jabberwocky-Jaguardarte é um poema de Lewis Caroll, aparece no livro Alice no Mais das Maravilhas. Fala de uma fera tão estranha e assustadora que para descrevê-la é preciso inventar novas palavras. Feito um violino, tangido por um arco serrilhado, misturando todos os instrumentos da orquestra.
Traduzi-lo é um desafio imenso, porque – como cria palavras – para vertê-lo é necessário transpor também o espírito, a melodia, o ritmo e a sonoridade da própria língua.
No Google há várias comparações entre as versões, a de Augusto de Campos é uma das melhores.


José Geraldo Vieira foi um dos melhores romancistas do século passado. Que, por razões transversas, a crítica 'oficial' comeu. A Ladeira da Memória é um romance belíssimo, passado durante a II Guerra, fala de um homem num dilema de amor, entre uma mulher viva e outra morta. E melhor, quase tudo acontece numa romântica viagem de trem SP-Rio.

Grande Sertão: Veredas é de 1956, sessentão. Afora o trato com o diabo, o outro redemoinho do livro é uma história de amor arrevesada, um jagunço reluta em dúvidas se ama ou não outro jagunço de olhos verdes, que, na verdade, é uma mulher travestida. Antecipação – numa chave inusitada – das discussões sobre gênero que empolgam este começo de século.


5 comentários:

  1. Transcrito do Facebook - Grupo Castelo Literário (www.facebook.com/groups/casteloliterario)
    Maria Luíza Faria
    || Ah, poeta, ainda existem damas que não resistem a um belo poema... E se deixam seduzir por rimas apaixonantes. Parabéns! Não resisto...rs ||

    ResponderExcluir
  2. Transcrito do Facebook - Grupo Castelo Literário (www.facebook.com/groups/casteloliterario)
    Suely Sette
    || E como não gostar poeta amigo Douglas Bock! Seus versos em busca das Damas de ontem fazem-me refletir...Andariam perdidas pelas madrugadas insones dessa vida em busca de versos assim tão preciosos? Irresistível não se aproximar de seus versos e tudo mais de precioso que encontro no "Blog Paulistano"...Abraços meu amigo...As músicas de ontem ainda atraem as Damas de agora...Boa noite! ||

    ResponderExcluir
  3. Transcrito do Facebook
    ANDRÉ DA PONTE - Esse não ´é um poema, caro Douglas Bock. Isso é um poemação. Muito obrigado por este presente que salvou meu dia, grande poeta. Parabéns !!!

    ResponderExcluir
  4. SUELY SETTE - Administradora do Grupo Facebook 'Castelo da Literário' - "Morada dos tempos,berço dos instantes..."
    Vale a travessia conturbada e incerta, para se chegar "A Ilha Do Dia Anterior "
    De certa forma a incompletude humana, busca em inusitadas paragens o que ainda não conhece.
    Douglas Bock é desafiador e igualmente instigante seu lindo poema!

    ResponderExcluir
  5. Transcrito do Facebbok
    SUELY SETTE - Tivesse Gilgamesh um suspiro de sua sensibilidade outra seria a história,diferente a lenda do Rei da Suméria.
    Encantamento puro.No abismo de tantas contradições ele se rende e encontra nela a redenção.
    Emocionou-me de fato!
    Só para lembras Gilgamesh ainda hoje é citado nas series de jogos Final Fantasy... Que sensibilidade encantadora Professor Douglas Bock!

    ResponderExcluir