segunda-feira, 20 de abril de 2015

O PARAÍSO DE CADA UM


Ninguém entendeu direito (nem eu) quando publiquei esta mensagem cifrada no Facebook, mas, curiosamente alguns curtiram.
“Se é este o céu que a morte me destina f(SUM)
Quem dirá f(SUM) se eu morrer f(SUM) que é teu o erro?”
Contudo funcionou, três dias depois recebi uma resposta no e-mail pessoal.

Sr. Tomas Cavaleiro,

Sutil e elegante citação de Michelangelo, apropriada para suas intenções e incertezas. Com alguma complacência poderia ser um bom lema também para nossa Ordem.

Não esperávamos seu contato, assumimos que o Prof. Ângelo Simone havia declinado do convite. É incomum, porém já aconteceu.

Todavia, parece que, antes de entrar em coma, seu parceiro revelou nossa existência e nossas competências para o senhor. Inclusive ensinado a forma de fazer contato. Resolvemos aceita-lo como interlocutor.

Poderemos recebê-lo na próxima quinta feira, às 16 horas.

Rua Quirino de Andrade, 29 – 9º andar – Conj. 92 – Centro – S. Paulo
f(SUM) - Fraternitas Solvere Ultimum Mysterio

Li várias vezes a mensagem, sempre espantado, nas entrelinhas indicavam saber tudo sobre mim, devassavam todos meus pensamentos e dúvidas.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

SP – CAPITAL MUNDIAL DO GRAFITE?


Pesquisando para esta crônica consultei o Google sobre grafite e pichação. O resultado foi espantoso e revelador. Parecia auto explicativo, tão surpreendente que quase desisti de escrever o texto.
  
Faz muito tempo  muito antes do Haddad e Doria São Paulo tem se proclamado como a ‘Capital Mundial do Grafite’. Um pouco pela fama de alguns grafiteiros paulistas pelo mundo afora, outro pouco pela quantidade e variedade das intervenções que cobrem as paredes e muros da cidade.

O senso comum percebe diferenças entre 'grafite' e 'pichação', embora não seja fácil definir cada uma dessas intervenções. Aliás a língua portuguesa é uma das poucas em que estes dois conceitos estão separados. Um truque bacana para entender as características destas duas manifestações é digitar “grafite São Paulo” e “pichação São Paulo” no Google, pelas fotos as diferenças ficam evidentes (veja acima).

Os grafiteiros mencionam, com certo orgulho, que a pichação paulista tem até uma assinatura própria o ‘pixo reto’. Aqueles escritos ininteligíveis com letras de linhas retas que cobrem as paredes da cidade. Sempre que encontrar este ‘estilo’ em qualquer lugar do mundo é porque um paulista ‘trabalhou’ lá.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

DUAS CATARINAS


Catherine Deneuve de Paris  do Cine Bijou e de muitos corações  como as santas, Catarina de Siena e Catarina de Alexandria , era bonita e inteligente na mesma medida. E ambos os atributos foram determinantes para a consecução dos destinos de todas as três.  

A beldade francesa começou como atriz de comédias e musicais românticos, porém logo se transformou em referência cultural e símbolo sexual planetário.

Catherine Fabianne Dorléac emprestou seu corpo, coração, mente e sensibilidade para ilustrar todos os tons e papéis que colorem e ocupam as mulheres pelo mundo afora, sempre com verossimilhança e autenticidade.

Foi a fêmea fatal e a dona de casa normal, e ás vezes a instável e perigosa mistura das duas. Deslumbrante em cada performance, todos os diretores se apaixonavam e viam nela a mulher ideal para suas histórias, teses e divagações.

A eterna musa de Yves Saint Laurent e o rosto mundial do Channel Nº 5. Além da Marianne, a figura oficial da República da França, a mais feminina das nações.


Katharine Hepburn de Connecticut  das tardes nos cinemões e das sessões da tarde  foi poderosa como as rainhas-herdeiras, Catarina de Médicis e Catarina da Rússia, todas absolutas durante seus longos reinados, muito além do bem do mal.

Chegou à maturidade junto com o cinema, aprendeu que o sucesso é feito de dubiedades e persistências, de luzes, sombras e mistérios; que é preciso mudar e se reinventar de acordo com os acenos do público.

Cometeu e escondeu todos os pecados da velha Hollywood, até o mais proibido deles, a homossexualidade. Ou não, até hoje seus biógrafos – amigos e inimigos – estão incertos. Contudo seu melhor papel romântico foi como a ‘outra’ de Spencer Tracy, um homem casado e problemático. Uma parceira dedicada e confiável, até o último dia.

Conheceu apogeus e eclipses na carreira. Foi 'o veneno das bilheterias' e acumulou 12 indicações para o Oscar. Ganhou o primeiro aos 27 anos e outros três (68, 69 e 82), depois dos 60, já como uma atriz anciã, Há muito entronizada como a rainha-herdeira do reino de Hollywood, por voto direto das plateias do mundo.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

CCBB - PICASSO E A MODERNIDADE (OUTRA VEZ)

É preciso, imprescindível mesmo, visitar a mostra do CCBB-Centro Cultural Banco do Brasil – “PICASSO E A MODERNIDADE ESPANHOLA  Obras da Coleção do Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia”, porque ver o trabalho do minotauro sempre é enriquecedor. 

Entretanto, atropelando o poeta Drummond, acho que me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas, sobretudo porque talvez esteja ficando ‘over’ demais - uma saturação - de novo explicar e ilustrar o desenvolvimento da arte moderna através do genial espanhol.

Com certeza Picasso foi o artista plástico mais importante do século passado. É impensável a História da Arte Moderna sem o espanhol, mas existem tantas outras vozes, com inesperadas modulações próprias, que necessitam ser mais ouvidas. É recomendável visitar a mostra várias vezes, e dedicar muito mais atenção ao complemento do que à coleção protagonista.

Por exemplo, se deliciar com as poucas obras expostas de Joaquim Torres-Garcia, talvez o artista sul americano com maior trânsito entre os efervescentes europeus. Aquele mesmo pintor que em 8 de julho de 1978 perdeu mais de 80 obras – uma tragédia para sua Fase Construtivista, que durou duas décadas – no incêndio do MAM do Rio. Catástrofe que abaixou todas as notas internacionais de segurança museológicas do Brasil.

Estacionar um longo tempo frente aos não-picassos e fluir às telas de Juan Gris, um pintor de vida breve, morreu com 40 anos, mas que deixou registrado um viés cubista delicado e reflexivo.

Picasso? Bem é impossível não nota-lo.