quarta-feira, 20 de abril de 2016

ANJO DO CASTELINHO DA RUA APA


O Crime do Castelinho da Rua Apa é a tragédia favorita dos paulistanos.

Eclodiu em 12 de maio de 1937, uma quarta feira. Convocada, a policia encontrou três cadáveres num palacete com torrinha na Avenida São João. A mãe (Maria Cândida Guimarães dos Reis, 73) e dois filhos (Álvaro Cézar dos Reis, 45, e Armando Cézar dos Reis, 43). Conclui-se por assassinato duplo e suicídio, apesar das incongruências na cena dos crimes. 


Naquele momento a cidade surfava numa enorme onda de crescimento, empoderada pela industrialização. O morticínio aconteceu na região mais sofisticada de S. Paulo, os Campos Elísios, e envolvia a nata da elite bandeirante. Álvaro, o playboy,  vítima ou assassino múltiplo, era um ‘sportman’ celebrado, dono de cinema, conhecido patinador e proprietário da primeira moto ‘Indian’ que estridulou pelas avenidas da paulicéia desvairada.

Talvez seja nosso mistério preferido porque deixou um alfinete vermelho e piscante enterrado no mapa da cidade. Como nos contos de horror, sobrou um castelo abandonado e em ruínas para lembrar as mortes sangrentas e acolher os fantasmas intranquilos.

O Castelinho da Rua Apa – enfim e aleluia – esta sendo restaurado. Era a intervenção mais reclamada e exigida em todos os grupos e sites que cuidam da memória de Sampaulo.

Entretanto, o ponto mais extraordinário dessa história, a estrela mais brilhante dessa galáxia de versões, enigmas e lendas que se expande vertiginosamente pela Internet, é uma personagem menor, comprimária nessa ópera sangrenta. Quem sabe um anjo - além do bem e do mal - para contrastar essa desgraça tão cheia de desamor.

‘Baby’ – a Dona Maria Cândida da Cunha Bueno, namorada de Álvaro, o playboy, que foi apontado pela polícia como homicida e suicida. Era uma destas mulheres excepcionais, capazes de parir as virtudes do mundo.

Escassamente fotografada, Baby, da alta burguesia paulista, era uma libertária intrépida e prematura. Atropelava todas as convenções conservadoras da época. ‘Separada’ do marido, quando isso era proibido por Deus e pelos homens, por dez anos 'ficou junto' com o namorado, quando esta expressão ainda nem tinha sido inventada.

Contudo, o mais espantoso da saga, foi sua absoluta fidelidade ao amado. Sempre defendeu a inocência do parceiro, afirmava o que o matador era o irmão mais novo, Armando, o moço 'sério, mas de espírito maligno'.

E não para aí, o mais bonito desse drama insólito é que Dona Maria Cândida da Cunha Bueno, a perpétua Baby, que viveu quase reclusa por 51 anos, tinha uma missão sagrada – desde o crime em 1937, até sua morte em 1988, com 97 anos – todo mês, dia 12, para prantear a morte do cúmplice querido, levara flores no túmulo do amante, no Cemitério da Consolação.

Mais ainda, depois de morta deixou parentes encarregados desta obrigação e prova de amor, que, garantem, ainda é cumprida até hoje.


Túmulo da Família Reis no Cemitério da Consolação



Foto rara de ‘Baby’
Dona Maria Cândida da Cunha Bueno

Em 07/abril/17 na reinauguração do Castelinho da Rua Apa, Andreia Venturoso afilhada de Dona Baby comentou duas vezes esta publicação e colocou uma fotografia rara da 'Anja do Castelinho'.

Andreia Venturoso Essa história é verdadeira e dona Baby é minha madrinha de batismo, me comove sempre em lembrar, ela faleceu em 1988 com 97 anos

Andreia Venturoso Essa foto é do meu batizado em 1971! Madrinha Baby a esquerda










15 comentários:

  1. Jane Darckê, obrigado pelo comentário.
    É verdade, por isso achei conveniente celebrar o amor verdadeiro nesta história trágica.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita Claudio Mello.
    Um caso espantoso, e, como disse, “a tragédia favorita dos paulistanos”.

    ResponderExcluir
  3. Eu sou fascinada pela historia do castelinho!

    ResponderExcluir
  4. Será, Sandra Mainardi, que neste tempos internéticos poderia existir um amor assim.

    ResponderExcluir
  5. Somos muitos, lolita, os fascinados pelo Mistério do Castelinho da Rua Apa.

    ResponderExcluir
  6. Esse túmulo da imagem não é o da Família Reis. O Site do Cemitério da Consolação apresenta outro túmulo como o da família: http://eternity-art.blogspot.com.br/search/label/Reis%20%20%27Fam%C3%ADlia%20-%20%28Rua%20Apa%29

    ResponderExcluir
  7. Obrigado, Feldon, valeu pelo link. Os funcionários me apontaram este túmulo, mas vou passar por lá para checar de novo.

    ResponderExcluir
  8. Feldon,

    Obrigado pela correção, confirmei na administração e você tinha razão, já substitui a foto.

    Douglas Bock

    ResponderExcluir
  9. Até que enfim terminaram a restauração,ficou bonito,foi muito comentado este crime.Vou compartilhar.

    ResponderExcluir
  10. A tragédia e terrível, porém espantoso e admirável foi a persistência do amor de 'Baby'.

    ResponderExcluir
  11. por favor sr douglas bock, gostaria de ver a foto do tumulo da família reis, meu email; susaniannace@gmail.com, ou me ligue 11-999701028.

    ResponderExcluir
  12. Susan Iannace enviei um e-mail. Me avise se houver algum problemas para baixar a foto.

    ResponderExcluir