sexta-feira, 12 de maio de 2017

7 FÁBULAS FAUVISTAS













9 comentários:

  1. Obrigado pelo comentário. 'Anonimo'.

    ResponderExcluir
  2. Douglas, achei fantásticos os três poemas! Que maravilhosa ideia de trabalhar com histórias tão ancestrais; as narrativas orais, felizmente migradas para a escrita, trabalho dos folcloristas, povoa a nossa imaginação.

    ResponderExcluir
  3. Vilma Silva. obrigado. Que bom que gostou da ideia. Sempre achei que em cada fábula existe alguma coisa inalcançada pela Razão. Quem sabe a Poesia possa servir de lente de aumento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As fábulas não passam pela razão, falam direto ao subconsciente. Trabalhei muito com narrativas da tradição oral. Foi uma vivência gratificante. Percebi que as narrativas populares são sofisticadas; expressam na linguagem que lhe é própria as grande questões (ou dilemas) do ser humano, como o faz toda arte. Foi interessante também descobrir que grandes escritores beberam na fonte das narrativas orais dos povos. Ei aí você também voltando à mesma fonte.

      Excluir
    2. Acho que a poesia e a literatura em geral expressam o mesmo em linguagem também própria. As narrativas orais podem parecer ingênuas e moralistas, mas há no fundo dela muito mais que isso. Eu fiz uma tradução das Fábulas de Stevenson. Gostaria de te presentear com um exemplar. Tenho a impressão de que você vai se deliciar com essas fábulas, exemplares em meu conceito.

      Excluir
  4. Que trabalho interessante Vilma, conheço muito pouco Stevenson. Clario que iria adorar ler.

    ResponderExcluir
  5. Transcrito do Facebook
    NELSON TEIXEIRA - Sua simplicidade em tornar humilde o ácido, me encanta, caro escritor, poeta e afins, Douglas Bock! Gostei da chama existencialista, pois para quem persegue e encantado se tornou escravo dessa liberdade de tocar à liberdade, sua voz foi a alma das palavras dessa atração, desse sonho de a encontrar.

    ResponderExcluir
  6. Nelson Teixeira, queria agradecer seus excelentes comentários ao poema, Num dos livros secundários Borges diz: “o bom, se breve, duas vezes bom”. Gosto desta frase.
    Sobre o Existencialismo? Como deixar de sê-lo, sou da safra de 51.

    ResponderExcluir