terça-feira, 21 de outubro de 2014

Parque Savoia - Por Trás dos Portões

O Parque Savoia, na Rua na Vitorino Carmilo, 458, Barra Funda (a mesma onde nasceu Amâncio Mazzaropi), sempre me encantou pela arquitetura romântica e elegante. Sobretudo, me fascinavam seus jardins internos, secretos e interditados, Quem foi criança sabe que invadir jardins proibidos é uma compulsão irresistível.

Escrevi algumas vezes sobre esta intrigante construção no Blog Paulistando (http://www.paulistando.com.br/2013/03/parque-savoia-lugares-de-outra-sao-paulo.html). Especulava sobre seus mistérios e inventava moradores fictícios, poderia ser o esconderijo paulista para um remake do Sherlock Holmes. Nas minhas caminhadas, as vezes desviava para passar por lá, só para apreciar a fachada, atiçando minha vontade de cruzar as grades de ferro e adentrar nos jardins e alamedas da ‘vila’ italiana.

No começo deste ano (2014), descobri que o proprietário, Sr. Salvatore Iungano, participava do grupo Facebook ‘Memorias Paulistanas’, trocamos algumas mensagens e revelei meu desejo. Fui convidado a visitar o parque por dentro. Aceitei agradecido, em junho atravessei os portões do paraíso escondido.


Antes de começar a falar das maravilhas do Parque Savoia gostaria de parabenizar o Sr. Salvatore Iungano que – ‘apesar’ das erráticas leis de tombamento e preservação – mantem este monumento arquitetônico praticamente sozinho, com muito esforço e dedicação pessoal. É um pedaço de passado embalsamado e protegido com carinho.




Minha surpresa começou no átrio (debaixo do terraço pergolado da foto), nele estão gravadas quatro citações ou divisas latinas que ilustram muito bem o secular peso da sabedoria romana e italiana. Influências que, na virada do século passado, fecundaram e enformaram a sóbria e refinada cultura paulista, principalmente nas artes plasticas. Vale a pena examinar cada um dos dísticos com atenção, para resgata-los do esquecimento.

1. Pro aris et focispara casa e lareira. Quem entra no vestíbulo, á sua frente, lê esta frase, que significa ‘pelos nossos altares e lares’, ou com maior amplitude, ‘por Deus e pelo pais’. Refere-se aos valores mais sagrados de cada comunidade, virou lema de famílias, regimentos militares e ligas estudantis pelo mundo afora.



2. Caeli enarrant gloriam Dei, et opera manuum ejus annuntiat firmamentum Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Do lado direito, o Salmo 19.1 (xviii na foto), parte da liturgia católica, uma declaração explicita de crença no ilimitado poder de Deus.

3. Juris praecepta sunt haec: honeste vivere, alterum non laedere sum cuique tribuere (Ulpianus lib. i)Os preceitos do direito são estes: viver honestamente, não prejudicar o outro, dar a cada um o que é seu. Do lado esquerdo do átrio, uma declaração de princípios, fundada no mais alto Direito Romano.

4. Angulus ridetum ângulo que sorri. Quem se despede do Parque Savoia se encanta com este fragmento de verso, que significa ‘um cantinho feliz’, ‘um recanto bucólico’. Não tem como discordar do poeta Horácio.

Este enclave italiano na Barra Funda, quase Campos Elísios, então o bairro mais sofisticado de S. Paulo, nasceu do sonho de um empreiteiro polonês casado com uma senhora italiana. O nome – Parque Savoia – foi dado em homenagem à dama e à antiga casa real de Itália. A intenção era deixar um patrimônio estável aos descendentes para que eles pudessem preservar o bem e usufruir do aluguel.

Construído em 1939, o arquiteto do conjunto de residências para alta classe media foi o engenheiro Arnaldo Maia Lello, já famoso, porque em 1929 havia projetado o belíssimo Teatro Paramount, no futuro, a casa dos Festivais de MPB.

Durante algum tempo o plano do casal europeu funcionou bem, porém, por volta de 1980, a vila estava num estado calamitoso, quase um cortiço. O Sr. Iungano precisou de paciência e persistência para retomar e reformar as 14 unidades e dar uma destinação mais nobre ao conjunto. De início pensou em locar as casa apenas para escritório de arquitetura, porém, com o tempo, aceitou também profissionais liberais e produtoras artísticas. 

A vila é tombada desde 2009 e, por causa de sua visual inusitado, já foi cenário de diversos comerciais, programas (Castelo Rá-Tim-Bum) e novelas. O Sr. Iungano cuida pessoalmente da gestão, manutenção e preservação dos edifícios. Atualmente evita ceder o lugar para gravações, não quer atrapalhar o sossego e os negócios dos locatários. Pelo mesmo motivo não permite carros nem estacionamento nas alamedas arborizadas. Sábias decisões, deve ser delicioso trabalhar naquele ambiente bucólico. 

Por tudo isso, cruzar os portões do Parque Savoia é como fazer uma viagem no tempo e no espaço. Voltar ao passado e se transportar para a Europa, para as antigas cidades florentinas. Chafarizes, brasões, jarrões, colunas, caramanchões, arcos, azulejos pintados, canteiros, jardins, silêncio e perfume. Parece um paraíso restaurado, só faltam ninfas bailando e faunos tocando flauta.

Parque Savoia - 1940 (via Acervo Acrópole e João José Basso)

Fonte e Jardins

Brasões e Medalhões

Caramanchões de colunas

Fachadas (1)

Fachadas (2)

Fachadas (3)

Alamedas e Jardins
Vasos, Colunas e Detalhes

Fonte e Azulejos Pintados

Saida



18 comentários:

  1. Parabens!!
    Quando for a SP, farei uma visita ao lugar!

    ResponderExcluir
  2. Lugar encantador e maravilhoso, cresci nesta região...e era apaixonada pelo local!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pela visita Sonia Pozzi.
    Não tive a tua sorte de conhecer o lugar desde criança, mas me apaixonei a primeira vista.
    Estou planejando escrever um conto ambientado lá.
    Douglas Bock

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela visita, Sandra Mainardi. Um Oásis de paz, tranquilidade e bom gosto.

    ResponderExcluir
  5. Caro Douglas,
    Tudo bem?
    Esse lugar é sensacional - e perfeitamente conservado! Que beleza!
    Fico feliz que você tenha entrado e explorado.
    Fico, também, muito curioso de saber como são (ou eram) os interiores das casas!
    Abração, Christian Pruks

    ResponderExcluir
  6. Passei anos arrumando um jeito de entrar no Parque Savoia, até conhecer o proprietário. É o Salvador Iungano que, sozinho e sem ajuda, restaurou e cuida pessoalmente do lugar.
    Acho que saber como as casas eram por dentro, só com uma máquina do tempo. Atualmente são escritórios de arquitetura, contabilidade e produtores culturais. Trabalhar lá e como estar em um terraço aberto para o interior da Itália.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pela visita e comentário Marcia Custódio.

    ResponderExcluir
  8. É, visitando agora, o Parque Savoia, exclamo agora, "Lugar como este não há". Muito bom aprender no Blog Paulistando como a cultura italiana nos legou um paraíso como este, para que tenhamos paradigmas de pensamento latino, beleza e arte. Obrigado pelo post, Douglas Bock.

    ResponderExcluir
  9. Conheci o dono, Carlos, conversei longamente com ele e fiquei impressionado com seu esforço para preservar este pequeno tesouro paulista das explosões imobiliárias.

    ResponderExcluir
  10. Qdo criança na década de 70 uma tia morava no pensinato q ficava ao lado da laje aonde estiam as roupas ficava admirando a Vila uma vez assiste a una entrevista do Cantor Ritchie na Vila Savóia.
    Lugar Ímpar em SP

    ResponderExcluir
  11. Alírio Sutanis, esta 'villa' é um dos tesouros de S. Paulo. Uma maravilha, espero que saibamos preserva-la.

    ResponderExcluir
  12. como faço para visitar esse parque pq ele sempre esta fechado

    ResponderExcluir
  13. alguem sabe como faço para visitar esse parque pq ele sempre esta fechado

    ResponderExcluir
  14. Não é um parque!! Atualmente vc só entra com autorização. As casas são todas ocupadas por empresas. Qualquer adulto do bairro quando criança cansou de brincar aí dentro, quando a vila ainda era aberta, portões baixos e de moradias. As casas são lindas! A principal na entrada enorme. Tem até casa com piscina. Porém o bairro de deteriorou... Na frente a noite ficam usuários de drogas e há tráfico. Na frente havia um outro grupo de casas, não com a mesma beleza, mas que foi demolida. A casa do Mazzaropi que foi mencionada por estar na mesma rua, é um cortiço aos cacos.

    ResponderExcluir