segunda-feira, 22 de janeiro de 2024

| 2023mai05 – Galleria d’Arte del Molo Sud - SBTronto / Italia |

 

O 'Museo d'Arte sul Mare (MAM)' em San Benedetto del Tronto (Marche), possui um dos mais surpreendentes espaços de exibição do mundo. O projeto é tão bom que dá inveja de quem teve a ideia: uma fantástica galeria quebra-mar.

Uma larga e extensa avenida/corredor que avança 1,5 Km mar adentro. Nos dois lados da passarela imensos blocos de mármore branco travertino – cubos de 1 a 5 metros de lado - estão dispostos de forma não muito bem organizada. Alguns já estão esculpidos, outros aguardam por mãos de artistas do mundo todo. Convidados ou candidatos (se aprovados) - podem esculpir nos blocos livres.

Percorrer, pervagar por esta estrada de mármore branco é como atravessar a vasta galeria de sonhos e pesadelos do inconsciente coletivo da humanidade, transformado em pedra.

Heróis e monstros; princesas, fadas e bruxas; ETs e alienígenas. Seres surrealistas, sonhos, devaneios, obsessões, desejos e medos petrificados.

Ainda restam muitos blocos rudes esperando artistas atrevidos e destemidos...

Eu pretendo voltar para beijar de novo a sereia que assediou Ulisses.



quarta-feira, 17 de janeiro de 2024

| 2023mai23 – Castelo de Otranto - Puglia / Italia |


 





O Castelo de Otranto existe, de verdade. Não é apenas uma invenção do Lord Horace Walpole.

Suas sólidas pedras se empilham imponentes e prepotentes no salto da bota italiana. Desafiadoras e vigilantes, prometendo deter os barcos inimigos do Mediterrâneo. Um baluarte poderoso e estratégico, desde tempos alucinados das cruzadas.

Esperta e inesperada escolha de cenário para o primeiro romance gótico, sobretudo porque imaginada por um Lord inglês.

Dentro da imensa fortaleza cabem as mais incríveis e mirabolantes aventuras, lendas e fabulações. Todo autor adora suas criaturas, nunca ficam muito longe delas. O conde deve vagar eternamente pelos corredores, jardins, paredões e ameias da fortaleza.

Foi fácil encontrar o Lord, vestido de rendas azuis, calmamente olhando o por do sol numa das ameias.

– Sir Horace porque trouxe para este castelo, nas fronteiras do mundo, o intrincado novelo de seus enredos?

Me olhou surpreso, ajustou a faixa de seda dourada que cruzava sua cintura, depois respondeu.

– Porque a vida vivida é plana e vulgar. Nela, o que mais vale, são os sonhos impossíveis. Que são melhores em lugares ensolarados, onde delirar, divagar, enganar possibilita ir além da imaginação.

Depois sumiu, dissolvido nos reflexos do mar ao entardecer.


quinta-feira, 11 de janeiro de 2024

| 2023set19 – Casa de Maurice Ravel – Ciboure / França |

 


Fui até Ciboure, na mais funda dobra do Mar Cantábrico, Baia de Biscaia, divisa da França e Espanha. Queria conhecer a famosa casa que hospedou o Cardial Mazarin e onde Maurice Ravel nasceu.

Tempo e acaso formam uma dupla ardilosa e o maestro trafega entre as duas, não sabia qual versão dele ia encontrar.

Me coube a emanação da Primeira Guerra, 1914. O mestre balançava entre duas coisas: lutar pela França e compor ‘Le Tombeau de Couperin’.

Para as batalhas era magro demais - 1,57 metros e 48 quilos. Quanto à música? Podia trabalhar dentro de sua cabeça.

Passava os dias sentado numa colina e olhando o mar. Parecia feliz, tinha conseguido ser recrutado como motorista militar.

- Parabéns Mestre, enfim vai para a Guerra.

- É preciso persistir, como num bolero. Repetir o tema e aumentar a intensidade. Sempre dá certo.

Ficamos em silencio ouvindo o marulho do mar, repetição e variedade.


quinta-feira, 4 de janeiro de 2024

| 2023mai10 – Castelo Roccascalegna - Abruzos / Italia |




Roccascalegna é um castelo único. Esquisito, bizarro, sorrateiro e extravagante. Mesmo nos dias de muito Sol parece frio, sorrateiro, irreal e estranho. Um lagarto de pedra espreitando a presa. O tempo todo exibe metamorfoses e inventa surpresas nas altas montanhas de Abruzos, no Gran Sasso d’Italia.

Examinado por dentro, percebemos que começou como uma cabana de pedra que foi crescendo, encorpando até virar um edifício imenso que domina e comanda os vastos horizontes. Pronto para um ataque inesperado.

Mutante, jamais se repete, as estranhezas e os arrepios permanecem onipresentes e sorrateiros, o inesperado se esconde na espreita perpétua.

No dia que visitei – tenho certeza - Edgar Allan Poe comandava o espetáculo. O sol, a chuva, a neblina e o mistério se revezavam no palco. A cada minuto mudava o cenário, o clima e o sentido do mundo.

Fica a 70 Kms de Pescara, uma pinta no tornozelo da bota italiana. Exatamente no lugar onde – atualmente - as meninas amarram uma correntinha. Entre montanhas imensas, que o castelo-dragão domina e orquestra.