sábado, 8 de junho de 2024

Minhas viagens para “A Ilha dos Mortos”

 

O quadro ‘A Ilha dos Mortos’, pintado por Arnold Böckling em 1880, é um atrator estranho da Cultura Ocidental. Foi visitado por quase todas as artes: Cinema, Teatro, Literatura, Música (Clássica, Rock), Pintura, Games... O próprio autor – em seis anos - retomou o tema outras quatro vezes.

Einstein, Freud, Chamberlain e a maioria dos lares alemães (infelizmente até Hitler) gostavam de ter nas salas e gabinetes uma versão d’A Ilha dos Mortos’ para refletir sobre a finitude da vida.

Gosto muito deste quadro, tive até uma compulsão ‘voyeur’, visitei todos os museus em que as cópias estão expostas. Mas ainda era pouco, PRECISAVA TER MINHA PRÓPIA CÓPIA. Consultei uma empresa europeia: mil euros.

-----------

Um dia, em 2006, na infância da Internet, flanado pela rede, encontrei um anúncio provocador: ‘Copiamos qualquer quadro’. Enviei um e-mail, citando a versão de Berlim.

A resposta veio de uma Faculdade de Artes da China, assinada por Francis Wong. “Fazemos a cópia. De que tamanho?’ Respondi: “Igual a original: 150 x 80 cms”. Três dias depois, “Preço US$ 80. Metade na encomenda, metade na entrega. Trinta dias para o trabalho.” Arrisquei, mandei o primeiro pagamento.

-----------

Uns 60 dias depois comecei a me preocupar com o silêncio. Aos 90, mandei e-mail. “Tudo bem com a minha cópia?”. No dia seguinte: “É férias aqui. Todo mundo está passeando. Mas como está com pressa vamos passar você na frente.” Comecei a me preparar para perder quarentinha.

De repente, semanas depois, um e-mail: “Estou mandando uma foto da cópia. Olhe bem, se gostar são mais 90. Os 40 restantes e 50 para a remessa”. Ampliei, examinei, imprimi, mostrei para amigos. Todos concordavam era uma boa reprodução.

Mandei os 90 e perguntei: “Como vão enviar?” Francis Wong respondeu: “Nós sabemos como fazer as coisas”. Esperei mais calmo. A qualidade da cópia, permitia alguma confiança.

-----------

Vinte dias depois recebi um cano plástico branco de 13 por 90 cms (esses de instalações hidráulicas). Dentro, ainda cheirando a tinta, uma excelente e cintilante tela da famosa pintura ‘A Ilha dos Mortos’, versão Berlim. Francis Wong ainda me prometia um brinde: garantia que quanto mais as tintas secassem, melhor ficaria a pintura. Mas as surpresas ainda não tinham acabado.

A cópia tinha algumas peculiaridades e detalhes inusitados, que fazia dela uma versão originalíssima, absolutamente única do mundo. Engenhosamente escondidas na imagem, por todo o quadro, haviam sutis caricaturas de rostos chineses, que só com muita atenção podem ser descobertos.

Escrevi a Francis Wong agradecendo, especialmente pelo presente secreto.


quinta-feira, 15 de fevereiro de 2024

| A aula peripatética do Prof. José Cavalcante de Sousa |


Nos fins dos anos 70 estudava Filosofia ‘Pura’ na USP, sempre à noite. Durante o dia aprendia Engenharia de Computação, na prática, programando e testando.

Uma das aulas foi especial, extraordinária, inesquecível. Por isso a mantenho cuidadosamente na Dobra 01 da memória. O mestre era o Professor Doutor José Cavalcante de Sousa – o Platão que me foi dado conhecer.

É fácil lembrar-se dele, um refinado helenista. Entre muitas outras coisas, organizador e supervisor do primeiro volume da Coleção ‘Os Pensadores’ da Abril Cultural, sobre os Pré-Socráticos. Um marco na bibliografia filosófica brasileira.

Era uma noite fresca de inverno, talvez agosto, céu limpo. Quando entrou na sala o mestre informou que aquela lição seria especial – peripatética - faríamos uma caminhada.

Saímos do prédio da Filosofia em direção à Praça do Relógio da USP. Um batalhão de vinte e poucas pessoas, embasbacadas, surpresas, levitavam em torno do nosso mentor, donde evolava a perfumada fumaça do cachimbo, mantido aceso por porções de fumo que tirava do bolso do paletó.

Hoje sei que foi um privilegio aprender Platão com o velho Mestre, dezenas de vezes constatei que ele conhecia todos os diálogos de cor, porque eu sempre acompanhava com o livro aberto suas longas citações, sem nenhum erro, as vezes repetidas em grego clássico.

O passeio terminou numa tenda armada no meio do gramado, onde aconteceu o restante da aula.


segunda-feira, 12 de fevereiro de 2024

|2023mai19 – Cripta de San Biaggio – Apulia / Itália |

 

Entrar na cripta de San Biaggi – Apúlia/Itália - é acrônico, se perder no Tempo. Uma imensa caverna, grande suficiente para abrigar uma pequena comunidade.

Na verdade já foi uma pequena cidade. Existem registros e documentos relatando resquícios de um templo pagão e de que foi habitada continuamente por comunidades desde V d.C.

Mas o que faz a gruta excepcional são as maravilhosas pinturas rupestres que enfeitam e elevam suas paredes.

Os maravilhosos afrescos são de 1196, século XII, foram pintados por Daniele (e Martins?). Ilustram reiterados temas católicos e têm referencias bizantina. Estão em muito bom estado de conservação, considerando que atravessaram quase um milênio.

Suas cores resplendem e resistem aos corrosivos e inexoráveis ataques do Tempo e ainda hoje nos elevam e encantam.


segunda-feira, 22 de janeiro de 2024

| 2023mai05 – Galleria d’Arte del Molo Sud - SBTronto / Italia |

 

O 'Museo d'Arte sul Mare (MAM)' em San Benedetto del Tronto (Marche), possui um dos mais surpreendentes espaços de exibição do mundo. O projeto é tão bom que dá inveja de quem teve a ideia: uma fantástica galeria quebra-mar.

Uma larga e extensa avenida/corredor que avança 1,5 Km mar adentro. Nos dois lados da passarela imensos blocos de mármore branco travertino – cubos de 1 a 5 metros de lado - estão dispostos de forma não muito bem organizada. Alguns já estão esculpidos, outros aguardam por mãos de artistas do mundo todo. Convidados ou candidatos (se aprovados) - podem esculpir nos blocos livres.

Percorrer, pervagar por esta estrada de mármore branco é como atravessar a vasta galeria de sonhos e pesadelos do inconsciente coletivo da humanidade, transformado em pedra.

Heróis e monstros; princesas, fadas e bruxas; ETs e alienígenas. Seres surrealistas, sonhos, devaneios, obsessões, desejos e medos petrificados.

Ainda restam muitos blocos rudes esperando artistas atrevidos e destemidos...

Eu pretendo voltar para beijar de novo a sereia que assediou Ulisses.



quarta-feira, 17 de janeiro de 2024

| 2023mai23 – Castelo de Otranto - Puglia / Italia |


 





O Castelo de Otranto existe, de verdade. Não é apenas uma invenção do Lord Horace Walpole.

Suas sólidas pedras se empilham imponentes e prepotentes no salto da bota italiana. Desafiadoras e vigilantes, prometendo deter os barcos inimigos do Mediterrâneo. Um baluarte poderoso e estratégico, desde tempos alucinados das cruzadas.

Esperta e inesperada escolha de cenário para o primeiro romance gótico, sobretudo porque imaginada por um Lord inglês.

Dentro da imensa fortaleza cabem as mais incríveis e mirabolantes aventuras, lendas e fabulações. Todo autor adora suas criaturas, nunca ficam muito longe delas. O conde deve vagar eternamente pelos corredores, jardins, paredões e ameias da fortaleza.

Foi fácil encontrar o Lord, vestido de rendas azuis, calmamente olhando o por do sol numa das ameias.

– Sir Horace porque trouxe para este castelo, nas fronteiras do mundo, o intrincado novelo de seus enredos?

Me olhou surpreso, ajustou a faixa de seda dourada que cruzava sua cintura, depois respondeu.

– Porque a vida vivida é plana e vulgar. Nela, o que mais vale, são os sonhos impossíveis. Que são melhores em lugares ensolarados, onde delirar, divagar, enganar possibilita ir além da imaginação.

Depois sumiu, dissolvido nos reflexos do mar ao entardecer.


quinta-feira, 11 de janeiro de 2024

| 2023set19 – Casa de Maurice Ravel – Ciboure / França |

 


Fui até Ciboure, na mais funda dobra do Mar Cantábrico, Baia de Biscaia, divisa da França e Espanha. Queria conhecer a famosa casa que hospedou o Cardial Mazarin e onde Maurice Ravel nasceu.

Tempo e acaso formam uma dupla ardilosa e o maestro trafega entre as duas, não sabia qual versão dele ia encontrar.

Me coube a emanação da Primeira Guerra, 1914. O mestre balançava entre duas coisas: lutar pela França e compor ‘Le Tombeau de Couperin’.

Para as batalhas era magro demais - 1,57 metros e 48 quilos. Quanto à música? Podia trabalhar dentro de sua cabeça.

Passava os dias sentado numa colina e olhando o mar. Parecia feliz, tinha conseguido ser recrutado como motorista militar.

- Parabéns Mestre, enfim vai para a Guerra.

- É preciso persistir, como num bolero. Repetir o tema e aumentar a intensidade. Sempre dá certo.

Ficamos em silencio ouvindo o marulho do mar, repetição e variedade.


quinta-feira, 4 de janeiro de 2024

| 2023mai10 – Castelo Roccascalegna - Abruzos / Italia |




Roccascalegna é um castelo único. Esquisito, bizarro, sorrateiro e extravagante. Mesmo nos dias de muito Sol parece frio, sorrateiro, irreal e estranho. Um lagarto de pedra espreitando a presa. O tempo todo exibe metamorfoses e inventa surpresas nas altas montanhas de Abruzos, no Gran Sasso d’Italia.

Examinado por dentro, percebemos que começou como uma cabana de pedra que foi crescendo, encorpando até virar um edifício imenso que domina e comanda os vastos horizontes. Pronto para um ataque inesperado.

Mutante, jamais se repete, as estranhezas e os arrepios permanecem onipresentes e sorrateiros, o inesperado se esconde na espreita perpétua.

No dia que visitei – tenho certeza - Edgar Allan Poe comandava o espetáculo. O sol, a chuva, a neblina e o mistério se revezavam no palco. A cada minuto mudava o cenário, o clima e o sentido do mundo.

Fica a 70 Kms de Pescara, uma pinta no tornozelo da bota italiana. Exatamente no lugar onde – atualmente - as meninas amarram uma correntinha. Entre montanhas imensas, que o castelo-dragão domina e orquestra.