quarta-feira, 2 de maio de 2018

Túnel 9 de Julho e Raios Cósmicos


Uma das mais espertas e prevenidas iniciativas dos paulistas, depois da derrota na Revolução de 32, foi a criação da USP em 34. Um salto quântico no ensino superior brasileiro. Especialmente a FFCL – Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras que permitiu o diálogo entre os saberes. Quando organizou os novos departamentos recolheu o que havia de mais promissor na Europa e América do Norte, em indivíduos, modelos e ideias. Para a Cátedra de Física importou de Turin o professor ítalo-russo Gleb Wataghin, indicado por Enrico Fermi (Nobel de 1938), que trouxe consigo Giuseppe Occhialini, ambos interessados em Raios Cósmicos.

Talvez por sorte, acaso ou capricho das equações do Caos estas escolhas fortuitas depressa colocaram o Departamento de Física da FFCL-USP no mapa da pesquisa mundial de Raios Cósmicos e cravaram o Túnel 9 de Julho na História da Física.


Entre os primeiros espantados estudantes, cooptados pela Física da USP, estavam Marcello Damy e Paulus Aulus Pompeia, oriundos da Engenharia, que coordenados por Wataghin e Occhialini começaram e pesquisar os ‘chuveiros extensos’. Fenômeno que acontece quando os Raios Cósmicos (partículas aceleradas provenientes do espaço exterior) se chocam com átomos da atmosfera. A colisão e a fissão dos átomos criam uma enormidade de sub-partículas. A questão dos pioneiros paulistas era medir até que profundidade elas chegavam. (N.1) 

Para isso se aproveitaram da conveniência do Túnel 9 de Julho estar sendo aberto naquele momento e o utilizaram para provar que os 
‘chuveiros extensos’ podiam alcançar grandes profundidades e conseguiam atravessar espessas camadas de rochas. A obra foi inaugurada em 39, em 1940 a Física da USP já era ativa participante das discussões mundiais neste campo de estudos, publicando artigos nas grandes revistas técnicas mundiais mencionando o experimento no Túnel paulistano. 

Wataghin, Occhialini, Marcello Damy e Paulus Aulus Pompeia atualmente são personalidades da História da Física Brasileira e os Raios Cósmicos – que têm imbricações até com a Teoria da Relatividade de Einstein – nos levaram a César Lattes, aos mésons pi e quase ao prêmio Nobel. Contudo, é preciso registrar e consignar que foram nos recém cavados túneis, debaixo da Avenida Paulista, que aconteceram os primeiros testes que conseguiram documentar os
‘chuveiros extensos profundos’.

Assim, é sempre bom relembrar que se homenzinhos verdes nos atacarem, armados de pistolas de Raios Cósmicos, não adianta fugir para os Tuneis da 9 de Julho. Certamente lá não é um lugar seguro.

 (N.1) 
Rogério Rosenfield
- O cerne da matéria: A aventura científica que levou à descoberta do bóson de Higgs
   Companhia das Letras

2 comentários:

  1. Cara, você sabe cada coisa!!! Que espetáculo!!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita Suely.
    Não sou tão culpado assim, passei a adolescência indeciso entre Física e Filosofia. Porém, passei 40 anos trabalhando com Informática.

    ResponderExcluir