sábado, 20 de março de 2021

2018/set/08 – Sorrento / Italia – Caruso - Máq. do Tempo

Sorrento / Italia – 08/set/2018

Numa noite de sábado em Sorrento, quente, fim de verão, depois do jantar, sai para passear e apreciar o mar. No caminho ouvi música, árias de óperas, vinha da Igreja de São Francisco. Segui o som, entrei no Claustro e fui transportado 100 anos para o passado.

Umas 20/30 pessoas, sob as árvores, acariciadas pela fresca brisa do mar, um século atrás, extasiadas escutam música. A máquina do tempo era a aparelhagem de reprodução utilizada.

Os discos eram aquelas velhos bolachões pretos de 78 rotações, todos de Enrico Caruso, edições originais. Um antigo gramofone a manivela de 1906, chique, com a corneta embutida no móvel, reproduzia o som. O volume era baixo, íntimo, para pequenas salas. Inadequado para as vastas dimensões do pátio interno. Por isso um microfone defronte o alto falante amplificava as músicas para várias caixas acústicas espalhadas em torno da plateia.

No fim da audição fui conversar com Guido D’Onofrio, o audiófilo, para agradecer pela viagem e deixar os cumprimentos do futuro. 

3 comentários:

  1. Interessante essa sua vivência com Caruso. Ele estava presente sem estar em presença. Eu viajo também em suas viagens! A minha é imaginária e bem apaixonante!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vilma, me perdoe, andei um pouco afastado do Blog. Quando vi esta apresentação, parecia estar vivendo num daqueles filmes de realidade alterada, até a lidissima noite de Sorrento colaborava para isso. Sábia que Sorrento é a capital da marchetaria (desenhos com madeiras). A catedral da cidade e um universo marchetado.

      Excluir
  2. Interessante essa sua vivência com Caruso. Ele estava presente sem estar em presença. Eu viajo também em suas viagens! A minha é imaginária e bem apaixonante!

    ResponderExcluir