quarta-feira, 22 de julho de 2020

Paris – 23/set/2016 – Catacumbas de Paris

Paris – 23/set/2016




Exceto pelas letras gravadas nas pedras, os ossos são sempre os últimos a se calar. Nas Catacumbas de Paris vários milhões deles, empilhados nas paredes, repetem, repetem seus eloquentes discursos mudos que ecoam pelos escuros corredores como um sussurro nas trevas.
As imensas galerias subterrâneas perpetuam suas confissões rechinadas e rascantes, iguais e diferentes. É difícil entender suas histórias superpostas, são confusas tristes e parecidas.
A moça de olhos ausentes e órbitas vazias, à direita, corroeu seu rosto chorando em vão. Se matou, morreu virgem sem saber que foi loucamente amada. O rapaz à esquerda definhou em desespero, faleceu de amor, jamais pode confessar sua paixão pela moça triste.
Hoje envelhecem juntos, mas sem olhos não podem se ver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário