quinta-feira, 26 de setembro de 2013

NOSSAS (poucas) CONSTRUÇÕES COLONIAIS


Considerando a fundação oficial – com pelourinho, câmara de vereadores, eleições, essas coisas – S.Paulo está entre as cinco cidades mais velhas do Brasil. As outras se espalham pelo litoral paulista. Apesar disso, curiosa e infelizmente, não possuímos muitas construções coloniais, restam poucos edifícios erguidos nos séculos XVI e XVII. Talvez a Igreja da Venerável Ordem Terceira do Carmo – perto do Poupatempo da Rangel Pestana – construída em 1642, segundo o livro da História da Irmandade, seja a solitária exceção.

Deve ser visitada, guarda uma coleção de obras do Frei Jesuíno de Monte Carmelo. Os êxtases de Santa Teresa d'Avila, salvas da demolição do Recolhimento de Santa Tereza em 1920, e o belo e famoso afresco no teto. Fica na beira do Caminho Peabiru, a velha veia paulista.

Outro tesouro apontando por Mario de Andrade é a Capela de São Miguel Arcanjo, de 1622 – o templo preservado mais velho do estado. Hoje fica no município de Guarulhos, perto do aeroporto. Foi erguida numa saga épica indígena que convoca um Shakesperobi para conta-la.

Fora estes poucos casos, quase tudo que vemos pela cidade é novo, recente, em geral centenário, pouco sesquicentenário, raramente bicentenário como o Mosteiro da Luz, por exemplo).

Falam também da Igreja Santo Antonio, na Praça do Patriarca. De fato, está de pé e foi mencionada em variados documentos antigos. Sem dúvidas é um dos nossos templos mais antigos, porém sofreu muitas e diversas alterações – exceto o endereço – é difícil dizer o que sobra de ‘colonial’ nela.

Na virada do século XIX S.Paulo foi demolida e reconstruída novamente. Nessa metamorfose a jovem Paulicéia inventou a modernidade e o modernismo brasileiro. Dom Duarte Leopoldo e Silva – o primeiro Arcebispo de São Paulo – era um progressista resoluto e pertinaz, derrubou todas nossas pequenas capelas e igrejas colônias e setecentistas e oitocentistas para construir outras maiores no lugar.

Não dá para decidir com certeza se, conclusivamente, foi uma perda ou um ganho? S.Paulo nunca teve construções colônias portentosas, sempre foi comunidade pobre, relativamente atrasada, avessa à ostentação, com modestas construções de taipa de pilão. Era uma cidade canhestra, faltava vida social, artesões competentes e pedreiras próximas.

Avaliando tudo, talvez Dom Duarte tenha feito uma boa aposta: perdemos alguns edifícios antigos e não muito importantes, contudo ganhamos, com nossas igrejas e prédios públicos, um imenso acervo arquitetônico e artístico repletos de obras modernas e modernistas, algumas vindas dos grandes centros artísticos europeus.

Afinal, com o entroncamento ferroviário e com o dinheiro do Ciclo do Café, valia a pena investir em S. Paulo, já podíamos curtir e pagar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário