quinta-feira, 21 de maio de 2020

Coimbra / Portugal – 27/set/2015 – Inês de Castro

Coimbra – 27 / set / 2015

Em Coimbra fui até a Quinta das Lágrimas, queria encontrar a Rainha em ossos coroada.
Seria bom conversar com qualquer uma das duas, a ‘linda Inês, posta em sossego’ de Camões ou a ‘linda Inês, nunca em sossego’ de Jorge de Lima.
Não encontrei nenhuma delas, então resolvi espera-la na Fonte das Lágrimas que deságua no Mondego e (dizem) nasceu do choro da Rainha executada.
Quando vi seu vulto vislumbrei uma terceira manifestação dela, junto veio um verso: ‘Estavas, ígnea Inês, envolta em chamas’.
“– Rainha cambiante que viveu uma paixão que avançou além da morte. O amor verdadeiro é mais chama ou mais brasa?”
“– As labaredas se apagam e as brasas viram cinza. O verdadeiro amor é o calor que aquece a alma, porque o espírito fica pra sempre incandescente.”
Não se surpreendeu a amplitude da resposta, as musas sempre sussurram o impensável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário